top of page

Professores em Física da UESC são membros de Observatórios Internacionais

Atualizado: 30 de nov. de 2023

O Observatório Astronômico Gemini, localizado no Chile, é parte de um consórcio internacional formado pelos Estados Unidos, Canadá, Argentina, Brasil, Chile, Coreia do Sul e a Universidade do Hawaii. Sua criação remonta ao final do século XX, com o primeiro telescópio, Gemini Norte, inaugurado em 1999 no Havaí, e o segundo, Gemini Sul, em 2000 no Chile.

O Conselho Diretor do Observatório Gemini conta com o apoio de comissões de assessoria para a sua operacionalização. O Dr. Henri Michel Pierre Plana, Professor Titular da UESC no Programa de Pós-graduação em Física (PROFÍSICA), é membro de uma destas comissões, representando o Brasil. Estas comissões se reúnem duas vezes ao ano, ora no Hawai, ora no Chile.


Imagem: website https://noirlab.edu/public/programs/gemini-observatory/.



Nos dias 13-14/11/23, o Prof. Henri Plana, membro da Comissão Gemini chamada STAC - Science and Technology Advisory Committee do Gemini, esteve presente na 2a Reunião Semestral deste ano, na cidade La Serena, no Chile.


Foto: Sede do Observatório Astronômico Gemini Sul na cidade La Serena, Chile. Autor: Henri Plana (UESC-PROFISICA).



Na chegada ao Chile, o Prof. Henri teve a oportunidade de vislumbrar o "Cerro Tololo Inter-American Observatory”, outro observatório astronômico instalado na região. E, além deste, avistou também um futuro observatório chamado “Vera Rubin”, evidenciando o dinamismo e a expansão contínua da exploração do cosmos por astrônomos de diferentes países.

Foto: Cerro Tololo Inter-American Observatory. Autor: Henri Plana (UESC-PROFISICA).



O envolvimento do Prof. Henri na Comissão STAC do Gemini reflete sua participação ativa, consequentemente do PPG PROFÍSICA e da UESC, nas decisões sobre instrumentos e questões científicas de alta importância para a comunidade astronômica mundial.


Foto: 2a Reunião Semestral de 2023 da Comissão STAC - Science and Technology Advisory Committee, integrante do Observatório Gemini que se deu de forma híbrida. Autor: Henri Plana (UESC-PROFISICA).



Para os discentes da graduação e pós-graduação em física da UESC, essa proximidade com professores experientes e atuantes em comitês internacionais é uma janela para oportunidades enriquecedoras e perspectivas globais para as suas carreiras.

É também uma oportunidade para estudantes de outras universidades no Brasil e América Latina que apresentem interesse em estabelecer um relacionamento científico com os/as Físicos/as da UESC, através de projetos de Iniciação Científica (IC) ou projetos de pesquisa mais avançados.

A ciência, como ilustrado pelo Observatório Gemini, prospera quando conecta profissionais de referência além das fronteiras.


Foto: Registro de uma das salas de operações do Gemini.



Mas como funciona o Observatório Astronômico Gemini?

O Gemini possui dois telescópios de 8m, localizados em Hawaii e no Chile. Uma curiosidade intrigante é que os telescópios Gemini são gêmeos, construídos simultaneamente para garantir simetria nas capacidades observacionais nos dois hemisférios.


Foto: Os dois telescópios Gemini, sendo um localizado no Hawai (à esquerda) e o outro no Chile (à direita). Crédito: https://noirlab.edu/public/programs/gemini-observatory/

Qual a utilidade de um observatório astronômico?

A utilidade de um Observatório como o Gemini para a sociedade é multifacetada. Em primeiro lugar, ele desempenha um papel crucial na pesquisa astronômica avançada, oferecendo aos astrônomos uma visão clara do hemisfério norte e sul celeste. Essa capacidade de observação abrange desde a exploração de planetas e estrelas até a compreensão de fenômenos cósmicos distantes.

Além disso, o Gemini contribui para a educação e formação de cientistas ao facilitar programas de observação e colaborações internacionais. Sua presença no Chile e no Hawaii também fomenta o desenvolvimento local, gerando empregos e promovendo a educação científica na região.

Pode-se dizer que o Observatório Gemini representa uma janela para o universo, promovendo a compreensão do cosmos e enriquecendo a sociedade com descobertas e conhecimentos que transcendem fronteiras.


Docentes e Discentes do PROFÍSICA já são conhecidos nos observatórios dentro e fora do Brasil

Astrofísicos da UESC possuem uma trajetória na pesquisa relevante internacionalmente que inclui:

  • Participação em Comitês Internacionais: Desde 2009, temos ao menos 3 de nossos docentes que fazem parte de comitês nacionais ou internacionais, junto ao LNA (Laboratório Nacional de Astrofísica), envolvendo os grandes Observatórios Astronômicos Internacionais. Atualmente, como já mencionado, o Dr. Henri Plana no Gemini (International Gemini Observatory) e o Dr. André Luis Batista Ribeiro no SOAR (Southern Astrophysical Research Telescope).

  • Colaborações científicas com outros países: 134 institutos no mundo em 24 países, como: Argentina, Chile, Egito, Escócia, França, Itália, México, Suíça, para citar alguns.

Imagem: André Ribeiro, Coordenador do PPG PROFÍSICA UESC, participando da Reunião Semestral da Comissão Brasileira de Alocação de Tempo do Telescópio SOAR (Chile) para distribuição de tempo de observação entre os projetos submetidos para aprovação.



Outro exemplo da relevância da atuação dos astrofísicos e professores da pós-graduação em física (PROFÍSICA) da UESC nesses grupos de pesquisa internacionais, foram as matérias veiculadas pelo Gemini Edu e Space Today (Dr. Sérgio Sacani) sobre um trabalho de pesquisa feito com dados do Gemini, liderado pelo Dr. Leandro Kerber (PROFÍSICA-UESC). Segundo o Dr. Sérgio Sacani, este trabalho foi “(...) mais um trabalho feito por brasileiros, um trabalho de super destaque, um trabalho super importante para o entendimento da galáxia(...)”.


Foto: Dr. Leandro Kerber, no Observatório SOAR.



Os alunos de graduação e pós-graduação que se inclinam para a astrofísica, têm participado, há alguns anos, de visitas a observatórios astronômicos no Brasil, por exemplo, aos observatórios “Pico dos Dias”, localizado em Brasópolis (MG), Observatório Valongo, no Rio de Janeiro, e Observatório Antares (RJ), em Feira de Santana (BA).

O objetivo principal destas visitas técnicas é proporcionar aos(às) alunos(as) uma experiência completa de astronomia observacional, onde é possível conhecer o desenvolvimento de instrumentação astronômica feita pela LNA, a instrumentação instalada nos telescópios, bem como realizar observações e análises de estrelas, aglomerados de estrelas, nebulosas e galáxias.

Além disso, o Laboratório de Astrofísica da UESC (LATO) desenvolve atividades de divulgação científica e extensão, através do Observatório Astronômico da UESC (OAU), aberto à população do Sul da Bahia.



Fotos: Visitas técnicas ao Observatório Pico dos Dias, Brasópolis (MG). Créditos: Leandro Kerber e acervo: PROFÍSICA-UESC.


Você pode conhecer detalhes de como acontecem estas visitas técnicas, assistindo o “Papo Astrofísico: Os bastidores de uma observação astronômica no Observatório do Pico dos Dias” disponível na Plataforma da Jornada Física Viva.


Inscreva-se, assista e ainda receba certificado, tudo gratuitamente até setembro de 2024, em: 🌐 uescprofisica.net/fisicaviva


Para mais informações sobre a pós-graduação em Física na UESC:

Dr. André Luis Batista Ribeiro, Coordenador do Mestrado Acadêmico em Física da UESC, o PROFÍSICA - profisica@uesc.br


Para consultas ao Dr. Henri Plana sobre esta matéria, propostas de iniciação científica ou parcerias em pesquisas mais avançadas: plana@uesc.br


Gostaram das informações trazidas aqui? Contribuíram para os seus estudos ou pesquisa?



Assuntos relacionados:


Matérias sobre pesquisa liderada pelo Astrofísico, Dr. Leandro Kerber, Professor do PPG PROFÍSICA da UESC:


Quem disse que cursar física não pode ser legal? https://www.instagram.com/p/CtrdLycuzkh/


1a Dissertação de mestrado defendida com dados SIFS (Telescópio SOAR) é da UESC https://www.instagram.com/p/Ct2QNi9gfbH/


Depoimento da Astrofísica, Dra. Raquel Santiago Nascimento https://www.instagram.com/p/CsbncPQNivY/










bottom of page